segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

USOS E COSTUMES TRADIÇÕES JUDAICAS

  1. Acredito que Cristo nos libertou na cruz; seu sacrifício nos lavou de todo pecado. Porem, certas liberdade propagada por muitos cristãos querendo ser livre para praticar toda sorte de pecados, não está inclusa na liberdade do sacrifício de Cristo. Jesus não morreu para dar liberdade a ninguém no sentido de pecado. Por esta causa o escritor aos Hebreus disse: “se pecarmos voluntariamente depois de conhecermos a verdade, já não resta mais sacrifício pelo pecado, mas uma certa expectação horrível de juízo e ardor de fogo que há de devorar os adversários”.Hb 10.26,27; E outra vez: “horrenda coisa é cair na mão do Deus vivo”. Hb 10.31; E ainda: “Deus açoita todo que toma por filho”. Hb 12.5,6; Acontece que, a salvação é pela fé, mas a santificação depende de nossos atos e ações; e há coisas que abomina Deus; tais coisas afastam aqueles que as praticam da presença de Deus. Ter a mulher vestuário de homem é abominação, isto é, é um ato abominável; Dt 22.5; o que diz o Ap acerca dos tais no Ap. 21.8. Se fossemos comparar os cabelos de sansão, parece que não tem sentidos o seu poder de força estar ali; mas acontece que seus cabelos eram “O Sinal”, assim como Paulo também fala do cabelo das irmãs, é um “Sinal por causa dos anjos”. l Co 11.1-16. Acredito que as Igrejas Assembleias de Deus, são oriundas daquelas que foram organizadas por Paulo e outros Apóstolos, e que conservou a doutrina liberta das tradições judaicas da época do farisaísmo, deva permanecer nos mesmo princípios até o arrebatamento.
  2.  O fato da abominação está justamente nisto; a mulher fora enganada lá no Éden, porem o homem não; o engano aconteceu antecedendo o ato do comer do fruto proibido. Isto é, quando Eva comeu do fruto já havia sido enganada. O simples ato do comer do fruto não reduziria em pecado, mas contrairia a morte, envelheceriam e voltariam ao pó como eram. Porem o pecado afasta-los-iam, da presença de Deus. desde então Satanás começou a infiltrar entre os seres humanos a malignidade do seu engano; e isto entre os homens (sexo masculino).
  3.  A mulher querer ter a aparência do homem se torna uma abominação pelo fato único, de que ela caiu no engano de Satanás, o homem não. No caso do vestuário, devemos entender que quando a Bíblia se refere aos "Vestidos" usa-se o nome genérico; não se especifica o modelo. O termo "AS VESTES" não especifica o sexo, porém há vestuário de homem e há vestuário de mulher. Se não fosse assim não haveria nenhuma necessidade de proibição.
  4. Se atentarmos para os fatos no desenrolar do diálogo entre a mulher e a serpente, descobriremos facilmente que a decisão de Eva aconteceu juntamente com o engano; ali a mulher descartou o próprio Deus e abraçou o diabo crendo nele. por outro lado o diálogo de Deus e o homem Adão, ocorreu sereno e sincero; Deus não disse hora nenhuma que comer do fruto da ciência do bem e do mal, seria pecado; mas "o dia em que dele comerdes certamente morrereis".
  5. Acontece que Deus criou (formou) Adão, e depois de muitos dias (tempos) a mulher de uma de suas costelas, os vestiu de uma certa veste espiritual; e consequentemente eles seriam eternos nunca iriam morrer, exceto se comesse do fruto proibido. Se isto acontecesse eles perderiam a eternidade, porem não morreria espiritualmente. A morte espiritual é resultado do engano (antes de eva comer do fruto).
  6. O testemunho ocular de todos que estão vivos comprovam a tentativa de igualar a mulher ao homem, isto demonstra o interesse de Satanás obter legalidade na maioria, sem falar na troca de sexo que também é uma forma legal de obter legalmente direitos de comando.
  7. A mulher deva estar ligada ao homem com toda sujeição conforme diz a Bíblia, e o sinal de que ela está ligada ao homem é ter o cabelo crescido (gr constante crescimento). Para outra vez não ter aparência de homem, e vice versa. Extraído do livro do mesmo autor: Ética Divina    

Nenhum comentário:

Postar um comentário